ProRural compõe Comissão para desenvolvimento da Aquicultura pernambucana

O ProRural esteve presente, na tarde desta quinta (14), em reunião de instauração da Comissão Especial de Incentivo ao Desenvolvimento da Política Estadual da Aquicultura da Assembléia Legislativa de Pernambuco (Alepe). A partir de agora, a representação vai trabalhar em prol do crescimento e fortalecimento das atividades de cultivo de peixes, camarões e algas no Estado de Pernambuco.

O evento reuniu associações de produtores de tilápia do Sertão de Itaparica e São Francisco, além de parlamentares e pesquisadores. O objetivo é juntar elementos e informações do setor nos próximos três meses, para depois desenhar ações e políticas públicas que organizem a cadeia produtiva e fomentem a piscicultura e carcinicultura pernambucana. Segundo o representante do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) no encontro, Maviael Fonseca, só em 2016 o país movimentou cerca de R$ 6,3 bilhões com a produção de 1,2 milhão de tonelada de pescado.

O coordenador da Unidade de Gestão Territorial do ProRural em Petrolândia e integrante da Comissão, Kleyton Lima, apresentou durante o evento um vídeo institucional mostrando os projetos de piscicultura apoiados pelo Governo de Pernambuco através do Programa, e os benefícios que a atividade traz para dezenas de famílias de Agricultores Familiares da Região. “Pernambuco está hoje entre os maiores produtores de tilápia do país. É de grande importância uma Comissão na Alepe para cuidar e buscar políticas públicas para o setor. Nosso papel é contribuir ainda mais para o crescimento da atividade, sobre tudo entre os produtores familiares e associações de produtores”.

Para a maior parte dos participantes, este é o momento de o Estado organizar este setor e alavancar a produção. O grupo falou também sobre a necessidade de investimentos e políticas de saneamento básico para garantir a sustentabilidade da atividade que é de baixo impacto ambiental, mas precisa manter a qualidade da água. Na ocasião foi lembrado ainda que a maior parte dos produtores de pescado em Pernambuco são de pequeno e médio porte, e necessita que o Estado torne mais simples  a legislação que rege o setor.